Medicamentsen-ligne vous propose les traitements dont vous avez besoin afin de prendre soin de votre santé sexuelle. Avec plus de 5 ans d'expérience et plus de 80.000 clients francophones, nous étions la première clinique fournissant du acheter kamagra original en France à vente en ligne et le premier vendeur en ligne de Levitra dans le monde. Pourquoi prendre des risques si vous pouvez être sûr avec Medicamentsen-ligne - Le service auquel vous pouvez faire confiance.

Microsoft word - papel timbrado-mario ferraz.doc

SEXUALIDADE E EROTISMO
Professor: Luiz Alberto Hanns
Monitor: Gabriel
Sala: Auditório
Aula 1 – Introdução e desenvolvimento psicossexual – 31/5/2011
Breve contextualização histórica
“Sexualidade” é o termo utilizado para se referir a tudo que está relacionado ao sexo e ao ato sexual, e “erotismo” é o que está ligado à excitação, ao prazer e ao gozo. Essas noções mudaram bastante ao longo da história, especialmente nos últimos séculos. No período entre 1800 e 1900, a meta de vida era dar conta dos diversos círculos de obrigações sociais. O prazer não era um grande tópico. Existia interesse nele, mas a cultura não se organizava de forma a lhe dar espaço; se houvesse alguma sobra de tempo ou espaço nos interstícios do cumprimento dos deveres sociais, então tudo bem se dedicar ao prazer, mas No começo do século 20 inicia-se um processo de medicalização sexal. Com o advento da psicanálise, surge a ideia de que o sexo é algo muito importante e muito reprimido. Há uma continuidade da mentalidade presente no século anterior, mas o sexo passa a ser mais mencionado e discutido, surge a sexologia, mesmo que ainda incipiente, e começa uma concessão ao prazer moderado. A década de 1960 representou uma grande libertação sexual, principalmente na forma de uma afirmação coletiva e de experimentação, com um forte senso idealizado e romântico. A década de 1970 foi como a derrota deste sonhos dos anos 1960, o sexo sai do âmbito coletivo e se volta mais a nichos individuais. Nos anos 1980 houve um fortalecimento do cenário gay e de experimentações mais extremas, mas aconteceu uma ruptura devido à retomada conservadora na política (como os governos de Ronald Reagan nos EUA e de Margaret Thatcher no Reino Unido) e, principalmente, ao surgimento da aids. O fim desta década, representado pela geração yuppie, obcecada pelo trabalho e pelo sucesso, foi caracterizado por um esgotamento dos sonhos e dos experimentos e por um sexo mais clean, cuja estética pode ser vista em filmes da época, como 9 ½ semanas de amor (Nine ½ weeks). Na década de 1990 nota-se uma participação mais integrada e orgânica do feminino. O tema principal deixa de ser o sucesso, um tema tipicamente masculino, e passa a ser a qualidade de vida, o ritmo de vida e a sustentabilidade. A relação com o sexo passa pelas discussões do politicamente correto, da igualdade e da transparência; inicia-se um movimento em direção ao fim dos preconceitos. A época em que vivemos, o início da década de 2010, apresenta ecos de todo este passado. A grande mudança é que estamos todos online e todos temos representações, não só no mundo virtual, mas também na vida real: a estetização, o trabalho de negar o envelhecimento, até o Viagra. Nosso tempo é um que busca a otimização de tudo, vivemos pressionados pelos procedimentos (medicina preventiva, receitas para sucesso e felicidade, superestimulação). A relação com os corpos e com o sexo mudou, o discurso romântico foi substituído pela busca do prazer, e as relações interpessoais, principalmente os casamentos, têm um caráter cada vez mais pragmático. Conceitos fundamentais da psicossexualidade
Nós somos constituídos pelo que Freud denominou “série complementar”, isto é, o somatório da nossa biologia, que inclui tanto a nossa constituição quanto nossa história de espécie e de gênero, e das experiências que vivenciamos. Não é possível determinar o que somos somente pela biologia, e isso se aplica também ao corpo sexual, a anatomia só define a sexualidade até certo ponto. O corpo erógeno, que é a parte do corpo investida de pulsão sexual, não se restringe só à genitália, nossa tendência é erogenizar todo o corpo e suas O conceito de “pulsão” é definido por Freud como um esforço para se preservar, um empenho de vida. A própria condição de estar vivo é estressante, pois é uma condição de constante confronto com um ambiente externo e interno; acomodação é morte. A pulsão, em seres mais complexos, está relacionada com imagem e com prazer. Há uma correlação entre dor, prazer e memória que, quando estimulada, dirige à vida. A memória é guiada por dor e por prazer, buscamos não repetir experiências dolorosas e nos cercar de coisas prazerosas, e essas noções são definidas por imagens e símbolos. O que distingue o ser humano dos outros animais é sua capacidade de simbolizar e de formar metáforas complexas. Com essas associações, o prazer deixa de ser correspondente a sua vocação corporal natural, isto é, até Nos seres humanos, o prazer sexual, portanto, se descolou da sua função (reprodução), e o campo da sensualidade não está a serviço dela. O sexo para o ser humano tem um caráter lúdico, e é usado para tornar a vida mais encantadora. Existe uma porosidade entre ele e diversas outras áreas da vida, isto é, um bom jantar acompanhado de um bom vinho pode ser afrodisíaco e sensual, mesmo não estando diretamente relacionado ao sexo. As redes contíguas no cérebro conectam diversos aspectos de nossa vida e, como toda imagem tem uma carga de prazer e desprazer, algumas imagens prazerosas se associam ao prazer sexual. Até a nossa relação com a dor, fisíca ou psicológica, seja de senti-la ou de causá-la, convoca uma excitação que pode levar à excitação sexual. O prazer sexual, portanto, é algo muito amplo e descolou-se quase que completamente da Gozo ativo e passivo
Há duas formas diferentes de gozo, o ativo e o passivo. Ambos podem acontecer nos dois sexos, embora o gozo ativo esteja mais relacionado ao homem e o passivo, à mulher. O gozo ativo acontece quando usamos nosso próprio corpo para manejar fisicamente um objeto e por meio dessa manipulação, descarregar uma tensão prazerosa, tanto física quanto psicológica. Este tipo de gozo também está relacionado a uma sensação de apoderamento e dominação. Um exemplo trivial, embora preciso, é o de estourar plástico bolha. Por meio do manejo e da deformação do objeto conseguimos extrair prazer. O gozo passivo é aquele em que o corpo é entregue a outro corpo e manipulado de forma a remover tensão fisicamente e trazer alívio, como é o caso de uma massagem. O gozo passivo é um pouco mais complicado do que o ativo porque requer uma entrega total de um corpo ao outro, exigindo relaxamento e confiança. O maior problema, no entanto, entre essas duas formas de gozo, uma mais tipicamente masculina e uma mais tipicamente feminina, é que existe uma assimetria entre elas. Para usar os exemplos dados: ao estourarmos plástico bolha nós não estamos particularmente interessados nos sentimentos do plástico bolha e se ele está confortável e aproveitando a experiência; assim como uma massagem que extraia toda a tensão do massageado vai provavelmente ser enfadonha para Prazer e desprazer
O prazer está relacionado a uma tensão liberada. Essa tensão se dá por uma quantidade de estímulos que, em excesso, causam desprazer, ou dor, e em falta, não causam prazer algum. A justa medida do prazer está na quantidade de carga e descarga de estímulos. Uma maior carga gera mais tensão que, quando liberada, causa o gozo. Durante o crescendo de tensão, aumenta o potencial de dor. Esse potencial não é percebido porque o processo é rápido, e ao mesmo tempo que várias áreas estão sendo hipersestimuladas e a dor está surgindo, diversas pequenas tensões são atendidas de imediato; a tensão geral é encoberta pela cascata de pequenos gozos. A satisfação da tensão geral é extremamente prazerosa, mas, se não atendida, ocorre dor física e psicológica. Os neurônios modulam o ritmo e o período dos disparos, para que se aumente a dor até o ponto ótimo para o alívio. O ritmo impede que a tensão chegue a se tornar dor. A experiência humana com o prazer é muito complexa. Devido a essa relação próxima com a dor, o prazer, levado aos limites extremos, se aproxima do mortífero. Freud dizia que nem tudo pode ser sublimado, portanto é necessária uma dose de prazer e de satisfação direta. O prazer precisa da tensão e de certa imprevisibilidade e de desenquadramento de regras higienistas e sociais, ou seja, é necessariamente transgressor.
Observação: Este relatório foi preparado pelo monitor do curso, um estudante universitário,
com base em suas anotações da aula. É apenas uma versão do conteúdo apresentado,
destinada a apoiar o aluno em seus estudos. Não substitui a presença no curso, nem outras
pesquisas sobre o tema, podendo conter eventuais incorreções – caso identifique alguma,
por favor, aponte-a

Source: http://www.casadosaber.com.br/sabermais/2405/sexualidadeeerotismo_aula1.pdf

Microsoft word - article6.doc

HYDRATION Run through a person’s diet recall and nevertheless enquire about his/her water intake. You will be shocked bythese revelations - "3 - 4 glasses in a day", "I just don’t remember to drink water" or "I drink water only when amthirsty". Water is one of the most important nutrients and has multiple benefits. Despite knowing the significance of water, most

Medical-leaflet.pdf

Today, a vast police apparatus is being put in place for the purpose of controlling, drugging and repressing the poor and disenfranchised. From weapons searches for High School students to “anti-stalking laws” to anti-drunk driving laws to “stopping dead-beat dads” to “Involuntary Outpatient Commitment” (the forced drugging of those diagnosed as insane), all the different extensions

Copyright © 2010-2014 Pharmacy Pills Pdf