Medicamentsen-ligne vous propose les traitements dont vous avez besoin afin de prendre soin de votre santé sexuelle. Avec plus de 5 ans d'expérience et plus de 90.000 clients francophones, nous étions la première clinique fournissant du acheter cialis original en France à vente en ligne et le premier vendeur en ligne de Viagra dans le monde. Pourquoi prendre des risques si vous pouvez être sûr avec Medicamentsen-ligne - Le service auquel vous pouvez faire confiance.

Myos - ver texto

Os alimentos e os fármacos cumprem necessidades distintas na vida dos seres humanos. Enquanto os primeiros satisfazem as necessidades básicas dos indivíduos de forma a garantir a sua subsistência, contribuindo para a manutenção da saúde, os segundos são utilizados quando, por qualquer razão, é necessário forçar a “natureza” a corrigir uma situação anormal A interacção alimento – medicamento (IAM) é causa frequente do aparecimento de efeitos adversos imprevisíveis, sendo, por vezes um fenómeno descurado no dia a dia da prática clínica. Regra geral, não conduz à morte mas é responsável pelo aumento de morbilidade por modificação da resposta farmacológica. O interesse por este tipo de interacção surgiu por volta de 1963, aquando da manifestação de crises hipertensivas em doentes, provocadas pela interacção entre os inibidores da mono aminoxidase (IMAOS) e as aminas biógenicas Tiramina e Histamina, existentes em certos alimentos como os queijos, Pode-se, então formular a seguinte questão: De que forma os alimentos podem alterar os efeitos dos fármacos? Apesar da aparente complexidade desta questão, a resposta à mesma é bastante simples, podendo-se dizer que os alimentos interferem no comportamento dos fármacos no organismo por duas vias: por um lado alteram a suas propriedades farmcocinéticas (absorção, distribuição, metabolismo e excreção - ADME); por outro provocam modificações farmacodinâmicas. É de referir que tanto as modificações farmacocinéticas como farmacodinâmicas podem levar a uma alteração dos níveis plasmáticos ou sanguíneos do fármaco. Considerando que a maior percentagem de fármacos nas doenças crónicas são administrados por via oral, é importante considerar a absorção do fármaco a nível do sistema gastrointestinal e os factores que a condicionam.
A absorção varia não só com a presença de alimentos, mais concretamente com os constituintes dos mesmos. Aceita-se que efeitos destas interacções podem conduzir a uma redução, um aumento ou a um atraso da absorção, verificando-se causas fisiológicas como esvaziamento gástrico, a motilidade intestinal e as secreções gastrointestinais e outras, de natureza química, como a quelação e a adsorção que provocam modificações na fase de absorção dos fármacos. Um exemplo típico de atraso na absorção surge quando se administram concomitantemente os Anti Inflamatórios não-esteróides (Diclofenac e Cetoprofeno), os Antipiréticos e Analgésicos (Paracetamol) ou ainda Benzodiazepinas como (Diazepam, Citoprolam, Midazolam e Bromazepam). Tal como já foi referido, os constituintes dos alimentos também desempenham um papel nesta situação. É o caso das Tetraciclinas (Antibiótico), que não devem ser ingeridas com alimentos ricos em cálcio e ferro (leite, queijo e iogurtes). Existem também medicamentos em que, na presença de determinados alimentos, a sua absorção fica aumentada assim como a sua bio disponibilidade (modificações de pH, No sistema ADME a distribuição é a que menos contribui para o fenómeno IAM. Quanto à metabolização, esta é relativa à capacidade de certas enzimas hepáticas serem alteradas no seu funcionamento, em particular o citocromo P450, resultando numa inibição ou indução desta enzima. A metabolização é um fenómeno de extrema importância visto ter como objectivo converter as substâncias exógenas em compostos polares facilmente elimináveis por via renal. Neste sentido, factores intrínsecos (variação intra individual) e factores extrínsecos como a alimentação e a dieta vão ter particular efeito sobre o citocromo P450 e os seus diferentes isoenzimas. Um exemplo paradigmático das interacções a nível do metabolismo é o da interferência do sumo de toranja com vários fármacos. O sumo deste fruto inibe o funcionamento das enzimas hepáticas, conduzindo a um aumento das concentrações plasmáticas dos fármacos. Assim, não se devem tomar Anti-Histamínicos, Benzodiazepinas (Diazepam) e Fármacos Hipocolasterénicos (Lovastatina, Atorvastatina e Simvastatina).
No que respeita à eliminação dos fármacos, o processo é afectado quando se altera o pH da urina. È conhecido que os alimentos como a carne, queijos, manteiga, pão, entre outros são capazes de acidificar a urina mas, por outro lado, legumes e verduras são agentes alcalinizantes. Na maioria dos casos os fármacos são ácidos ou bases fracas, daí a influência de alguns alimentos na sua excreção. Para além das interacções farmacocinéticas referidas anteriormente, também as interacções farmacodinâmicas devem ser consideradas. Este tipo de interacções é menos frequente, dando-se como exemplo a influência do álcool que no SNC (Hipnóticos e Anti-Histamínicos) em que há uma potenciação, ou mais correctamente, um sinergismo do efeito. Por outro lado, o efeito pode ser antagónico: os Anticoagulantes (Varfarina) são antagonizados por alimentos ricos em vitamina K (aveia, trigo e fígado).
É importante ter a noção de que os medicamentos, por si só, também influenciam o estado nutricional do doente. Algumas vezes surgem anemia, diarreia, perda de peso, as quais são provocadas por IAM e não por uma situação clínica específica.
Se se tomarem cronicamente alguns fármacos, estes poderão fazer diminuir a quantidade de elementos essenciais, causando deficiências nutricionais. É o que acontece no uso abusivo de laxantes e anti-ácidos, cujo efeito se traduz numa menor absorção de glicose, proteínas, sódio e vitaminas.
Concluindo, as interacções poderão ser minimizadas se houver uma abordagem multidisciplinar em que todos têm um papel fundamental. Sem dúvida alguma que o doente tem o papel fulcral de dar conhecimento ao médico/farmacêutico de que medicamentos toma e quais os seus hábitos alimentares para que se possa individualizar a terapêutica, no sentido de se obter o efeito pretendido. O doente é um “agente” activo no seu tratamento, contribuindo para que a terapêutica seja eficaz (Farmacêutica, membro do Concelho Técnico-Científico da MYOS)

Source: http://www.myos.com.pt/files/artigo_med_04.pdf

cobourgeast.kprdsb.ca

WHMIS SYMBOLS AND DESCRIPTIONS The WHMIS system groups hazardous materials into six classes or categories based on the type of hazard which they represent. These materials are also called controlled products. Each category has its own hazard symbol and it is important that the worker be able to recognize these. A - COMPRESSED GAS A compressed gas is a material which is a gas at nor

Apm 7-8-201

PHARMAZEUTISCHE WISSENSCHAFT Hagen Trommer, Hamburg Adamantan und seine Derivate Multifunktionell pharmazeutisch einsetzbare Tetracyclen Einleitung Der Kohlenwasserstoff Adamantan ist die Stammsubstanz der Klasse Die trotz relativ hohen Schmelzpunktes leichte Flüchtigkeit der Sub-der tetracyclischen Alkane. Er besteht aus vier Sechsringen und iststanz, die dadurch bereits bei Ra

Copyright © 2010-2014 Pharmacy Pills Pdf