Medicamentsen-ligne vous propose les traitements dont vous avez besoin afin de prendre soin de votre santé sexuelle. Avec plus de 5 ans d'expérience et plus de 90.000 clients francophones, nous étions la première clinique fournissant du acheter levitra original en France à vente en ligne et le premier vendeur en ligne de Viagra dans le monde. Pourquoi prendre des risques si vous pouvez être sûr avec Medicamentsen-ligne - Le service auquel vous pouvez faire confiance.

Terra e trabalho: a trajetria de trabalhadores idosos do acampamento mrio lago de ribeiro preto,sp

2º ENCONTRO DA REDE DE ESTUDOS RURAIS
11 a 14 de setembro de 2007, UFRJ, Rio de Janeiro (RJ)
GT1 – A LUTA PELA TERRA E A POLÍTICA FUNDIÁRIA

TERRA E TRABALHO: A TRAJETÓRIA DE TRABALHADORES IDOSOS DO
ACAMPAMENTO MÁRIO LAGO DE RIBEIRÃO PRETO,SP.

Raquel Santos Sant’Ana.
Professora Doutora do Departamento de Serviço Social da UNESP- Coordenadora do Núcleo Agrário e do Grupo de Pesquisa “Terra e Raiz”.
Este artigo apresenta dados sobre a trajetória de trabalhadores idosos que hoje fazem
parte do Movimento dos Trabalhadores Sem Terra (MST) e que estão no acampamento Mário Lago de Ribeirão Preto,SP. A partir de 5 fragmentos de história de vida, analisa como o trabalho na terra fez parte da trajetória dos sujeitos. Em Ribeirão Preto, o acampamento Mário Lago é expressão do conflito agrário, resultado do modelo concentrador de renda e riqueza, oriundo da agroindústria canavieira. O recorte do segmento idoso para a realização das histórias de vida deveu-se ao nosso interesse em analisar as diferentes trajetórias dos sujeitos até o momento em que tomam decisão de lutar por terra. Ao longo da vida os diversos sujeitos se reproduzem socialmente em condições determinadas, porém, a partir destas vão construindo estratégias que, de um lado singularizam suas histórias, de outro, os inserem numa classe social .Ao analisar as trajetórias dos velhos trabalhadores é possível perceber a centralidade do trabalho na estruturação de suas vidas e apreender como, nesta sociedade, estas experiências vivenciadas pelos sujeitos se dão a partir da expropriação da terra e intensa exploração nas relações de trabalho. O sonho da conquista da terra é a efetivação de um direito para sujeitos que em toda sua trajetória cultivaram e produziram para outros; daí a necessidade do Estado retomar dívidas históricas, uma delas é dar terra para quem
Introdução.

Este artigo apresenta dados sobre a trajetória de trabalhadores idosos que hoje fazem parte do Movimento dos Trabalhadores Sem Terra (MST) e que estão no acampamento Mário Lago de Ribeirão Preto,SP. Os resultados ora apresentados fazem parte de uma pesquisa mais ampla que teve como objeto de estudo as representações sobre a vida no acampamento sob o enfoque inter-geracional: congregou a análise de crianças, jovens, adultos e velhos sobre o cotidiano no acampamento e o significado da Em Ribeirão Preto, o acampamento Mário Lago é expressão do conflito agrário, resultado do modelo concentrador de renda e riqueza, oriundo da agroindústria canavieira. Este acampamento rural é organizado pelo Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) e possui cerca de 350 famílias. São 1.700 ha localizados em área nobre da região de Ribeirão Preto. A partir do mês de junho, o acampamento passou a pré assentamento e enquanto aguardam a definição do Incra sobre a seleção das famílias, os acampados, que estão dentro da fazenda, procuram desenvolver um espaço de sociabilidade segundo as proposições do MST; cultivam sem a utilização de venenos e já estão produzindo feijão, abóbora, mandioca, abobrinha, quiabo, enfim, uma grande diversidade de produtos; e já são os maiores produtores de feijão do município. O projeto de pesquisa foi desenvolvido entre os anos de 2004 e 2006, porém as informações junto aos idosos foram obtidas nos anos de 2006 ( apenas uma foi realizada no ano de 2005); foram coletados 5 fragmentos de história de vida com homens de mais O recorte desse segmento etário para a realização das histórias de vida deveu-se ao nosso interesse em analisar as diferentes trajetórias dos sujeitos até o momento em que tomam decisão de lutar por terra. Ao longo da vida os diversos sujeitos se reproduzem socialmente em condições determinadas, porém, a partir destas vão construindo estratégias que, de um lado singularizam suas histórias, de outro, os inserem Se as estratégias pressupõem um fio condutor que dá sentido às ações dos sujeitos, a noção de trajetória, segundo Antuniassi et all (1993), expressa “a dimensão diacrônica que liga o conjunto das circunstâncias às estratégias” (126). 1 Esta pesquisa teve a participação de duas bolsistas de iniciação científica do Cnpq: Ariane Cristina de Oliveira (2004/5) e Priscila S. Oliveira. 2 Incialmente procuramos incluir uma depoente do sexo feminino,porém tivemos dificuldade de localizar mulheres deste segmento etário. Uma senhora de 58 anos se prontificou, outra de 62 se recusou e sugeriu que fizéssemos a entrevista com o marido, alegando não lembrar-se de quese mais nada do passado. Recuperar as trajetórias dos trabalhadores com mais de 60 anos que hoje residem no acampamento Mário Lago significa buscar seus projetos passados e presentes, numa constante luta pela sobrevivência e por trabalho. II-Desenvolvimento
A luta pela terra no Brasil é resultado de uma estrutura agrária arcaica e de uma política agrícola voltada para a grande agricultura capitalista. A chamada “questão agrária”é resultado da luta de classe entre capital e trabalho naquilo que refere-se à terra; o resultado deste embate se expressa como particularidade da questão social: concentração fundiária, monocultura, degradação ambiental, êxodo rural, a precariedade da vida dos trabalhadores rurais residentes no campo ou mesmo sua condição de assalariados; a fome, o desemprego. Com relação a “questão agrária” afirma Fernandes,2001: Os problemas referentes à questão agrária estão relacionados, essencialmente, à propriedade da terra, consequentemente à concentração da estrutura fundiária; aos processos de expropriação, expulsão e exclusão dos trabalhadores rurais: camponeses e assalariados; à luta pela terra, pela reforma agrária e resistência na terra; à violência extrema contra os trabalhadores, à produção, abastecimento e segurança alimentar; aos modelos de desenvolvimento da agropecuária e seus padrões tecnológicos, às políticas agrícolas e ao mercado, ao campo e à cidade, à qualidade de vida e dignidade humana. Por tudo isto, a questão agrária compreende as dimensões econômica, social e política. (2001, 23-4) Muitos elementos singularizam a questão agrária no atual contexto. Só para dimensioná-la em uma de suas expressões, basta analisar a estrutura fundiária brasileira: segundo cadastro do Incra, 2003, no estrato de área até 100 ha, encontrá-se 31,6 % do total de imóveis com apenas 1,8% da área total de imóveis. Os imóveis com área superior a 2000 há correspondem apenas a 0,8% do número total de imóveis, mas ocupam 31,6% da área total. Com índice de Gini em 0.85, o país permanece com uma das maiores concentrações fundiárias do mundo e a política pública de Reforma Agrária continua Por outro lado, as modificações no mundo do trabalho decorrentes do processo de reestruturação produtiva do capital têm atingido duramente os trabalhadores do campo e da cidade. Segundo Thomaz, 2006, nos centros urbanos, as modificações no âmbito da produção se acirram de modo a permitir maior intensificação da concentração de capital, o que tem aumentado a precarização da vida dos trabalhadores. O autor afirma: Nos campos esses fundamentos se expressam em nível mundial de forma também contundente e diferenciada, amparados, pois direta ou indiretamente pelo modelo agroexportador vinculado aos programas de ajustes estruturais do Banco Mundial (BM), pelo Fundo Monetário Internacional (FMI), e pelo regime de livre comércio da Organização Em Ribeirão Preto,os fundamentos da reestruturação produtiva no campo se expressam nos avanços tecnológicos provenientes da agroindústria canavieira que se Na região, considerada tão próspera pelos meios de comunicação de massa, a lógica capitalista se reproduz em todos os espaços gerando uma alta concentração da Alguns segmentos estão quase excluídos do mercado de trabalho. É o que está ocorrendo com as trabalhadoras rurais e os trabalhadores com mais de 40 anos de idade no corte da cana. A exigência de produtividade de 12 toneladas/dia tem eliminado estes dois segmentos: mulheres e homens com mais idade. Os cargos ficam para os homens jovens, principalmente migrantes de outras regiões. Os enfrentamentos com a agroindústria canavieira se objetivam de diversas maneiras, dentre elas, nas lutas pela terra travadas pelos diversos movimentos sociais. O acampamento Mário Lago é parte explícita deste embate: estrutura-se em área nobre do entorno do município de Ribeirão Preto, numa extensão de 1.700 há. Nele se busca estruturar o cotidiano de forma diferenciada. Ao ouvir crianças, jovens, adultos e idosos foi possível perceber como cada segmento etário vivencia esta experiência. É evidente que para isto concorrem diversos fatores, e que a questão etária é apenas uma particularidade. Para as crianças o acampamento é o espaço da liberdade e da brincadeira; os jovens oscilam entre o rural e o urbano, destacando como principais dificuldades desse espaço a falta de infra-estrutura e de lazer; os adultos estão empenhados em viabilizar seus lotes provisórios e garantir que possam , com a terra, construir condições reais de se reproduzir socialmente. 3 Estão presentes na região o Movimento de Trabalhadores Sem Terra (MST), o Movimento de Libertação dos Trabalhadores Rurais Sem –Terra(MLST) e a Federação dos Trabalhadores Rurais do estado de São Paulo(FERAESP). 4 O MST possui uma sede regional no município e esto facilita a participação dos trabalhadores a campados em diversas ações e cursos de formação. 5 Os dados parciais sobre a pesquisa realizada foram publicados nos anais do I Encontro da Rede Rural. As trajetórias seguidas pelos diversos sujeitos, até a chegada ao acampamento são muito diversas. Para entender este processo e analisar como estas trajetórias estão centradas no âmbito do trabalho, ouvimos velhos trabalhadores que estão acampados no Mário Lago. Conforme já foi apresentado, foram cinco sujeitos e aqui será destacado aquilo que os une, aquilo que em meio à diversidade de estratégias individuais, se repete nas trajetórias como condição de classe deste segmento social. Como afirma Haddad: Em primeiro lugar não se pode falar em morte sem considerar a vida, assim como a velhice desconsiderando a infância e juventude, enfim a trajetória vivida ao longo dos anos. Em segundo lugar, falar em infância, velhice, vida ou morte sem considerar as desigualdades sociais e cair na universalidade abstrata.(Haddad,1999,p.21). As trajetórias dos velhos trabalhadores do acampamento Mário Lago possuem muita semelhança com a de milhares de trabalhadores, especialmente os desta faixa etária: nasceram em área rural, pouco ou nada estudaram e muito trabalharam ao longo da infância e juventude. A falta de recursos materiais e infra-estrutura e a precariedade da saúde emergem em suas memórias como um tempo de muito sofrimento. Nós empossava a terra e ficava trabalhando. Era 100 alqueires de terra. Meu pai ficou ali uns seis anos e de tanta febre que deu nele e em todo mundo.chegou o ponto de eu perder um dedo do pé.(.). Mas de tanta febre que deu no meu pai (ele ficou nove meses em cima da cama,chegou no ponto de um dia ele morrer e reviver de novo) que minha mãe falou: Senhor R. também fez referência à febre e a falta de atendimento médico: Nós criou no sítio, nós criemos tudo na roça. Mas naquele tempo, era muito sem recurso. Se quizesse, se precisasse de um médico, se precisava de uma coisa assim, só em Januara. Era 180 Km para ir em Januara fazer um tratamento se precisasse, por acaso. Mas não existia. Aquilo lá era: as pessoas que dava remédio. Você ia lá e pegava um remédio com uma pessoa. Inclusive teve um irmão meu que sofreu febre e ficou 40 dia com febre. Foi indo, foi indo, você achava que ele morria.foi Sempre trabalhando em sítios e fazendas, em lugares ermos e distantes, suas famílias desenvolviam atividades agrícolas, sejam como posseiros, pequenos produtores ou arrendatários, aliás, os vínculos iam se modificando nos diversos territórios ocupados. Esta foi a trajetória dos pais que todos acabaram seguindo. Mesmo os casos de dois informantes que iniciaram trabalho em outra atividade, mantiveram concomitante o cultivo da terra. O senhor Ca. foi funcionário da Empresa de Transporte Ferroviário da Alta Mogiana durante muitos e a aposentou como tal; ainda assim,nunca se desvinculou das atividades rurais, aliás a própria atividade na empresa era em área rural: limpar trilhos e colocar dormentes; nos tempos vagos seguia plantando roça: Na Mogiana nós trabalhava na linha. Nós , em cinco homens, nós cuidava de 10 km de linha.capinava, capina de linha,roçada, um metro de cada lado da cerca. E nós trocava as dormente.(.) eu plantava na beira da linha, que tinha um pedaço que nós podia plantar. Nós plantava Senhor R. trabalhou no Garimpo durante 12 anos, mas neste período continuou plantando roça como meeiro nas fazendas próximas. Com orgulho relata que os fazendeiros disputavam para quem ele iria plantar: Lá no garimpo onde eu estava tinha uns fazendeiros que eles brigavam para mim poder plantar roça com eles. Eu nunca comprei um quilo de arroz lá porque eu plantava roça mais os fazendeiros. Arava, arrumava a terra e plantava mesmo. Era assim: ó, você vai plantar mais eu; e o outro fazendeiro: não esse ano você vai plantar mais eu. Brigava pra mim plantar roça com eles. Eu plantava de “a meia”. Teve ano que eu colhi duzentos e cinqüenta sacos de arroz.(Senhor R.) Os tempos idos são também tempos de fartura, de alimentos saudáveis, sem venenos. Plantavam principalmente gêneros alimentícios: arroz, milho, legumes; citaram Nós trabalhava para um fazendeiro. Plantemo tomate. tudo o que era legume: quiabo, tomate, arroz. plantemo quarenta quilo de alho por um brotão adentro, deu alho pra danar. (Senhor C) Plantava de “a meia”, plantava arroz, feijão, tudo e depois passamo a tocar café pros fazendeiro. ( Senhor Ca) Sobre o passado, todos fazem menção à facilidade de arranjar trabalho em área rural, mas também às longas jornadas; falam que trabalhavam muito, mas não identificam esse processo como exploração. Quando a isto se reportam, tratam como situação de injustiça, semelhantes àquelas em que foram roubados: em diferentes circunstâncias, apreendendo ou não como roubo, todos já vivenciaram esta situação. Muitos casos foram citados: arrendamento em que o produto final foi vendido pelo proprietário que desapareceu com o dinheiro; destoca e limpeza de grande área sem depois a dívida ser saudada pelo proprietário; cheque sem fundo para grande quantidade de produto vendido, muitos anos de trabalho na fazenda sem registro e no final, sem acertos de contas. Enfim, situações vivenciadas cujos rebatimentos se fazem presentes hoje em suas vidas: só um deles tem aposentadoria, os outros estão sem proteção previdenciária. A situação do Senhor F. é bastante peculiar: na juventude, trabalhou longos anos na Fazenda da Barra, onde hoje está acampado. Diz conhecer “a palmo” Morei 17 anos quando era menino. Agora está bem melhor, porque quando morei aqui só tinha a casa no morro. Nós era agricultor. nós tocava celaria na seca e plantava. Eu não tenho nenhum registro que prova que a gente trabalhava. Esse Junqueira não registrava ninguém, mas tem gente que conhece a gente. O Junqueira é esse embaralho. Depois quase no fim da vida, n/é? Nessa idade a gente torna a voltar outra vez.(Senhor F.) Um depoimento que mostra bem o nível de exploração vivenciado no trabalho é do Senhor ª que desde cedo foi trabalhar como assalariado. Mesmo trabalhando ele teve que pedir “ajuda” para poder sustentar a família: Aí, eu acabei com a vergonha, falei assim pra patroa: olha, dona Maria a minha mãe está meio desprevenida, sem roupa. Dá pra senhora arrumar seja um vestido que tiver mais ou menos pra ela? Um vestido velho pra ela? Aí, ela ficou com dó e arrumou. Arrumou e mandou. Falou: leva pra sua mãe. Se você falasse antes, tinha levado. Você não precisa estar com Na fala deste depoente prevalece uma visão idealizada do trabalho, porém, em algumas situações aparece de forma aguda e crítica a percepção da real condição vivenciada. Quando ele fala da situação de trabalhador rural assalariado coloca: Ah! Bóia-fria, filha de Deus, bóia-fria não dá camisa pra ninguém. Eu vou falar: a pessoa que não se aperte não, para ter o dinheirinho para pagar água e luz.(.) Depois de uma vida de trabalho, de exploração, três dos expoentes mencionam como grande vitória ter conseguido criar seus filhos, ( um teve 5, outro 8 e o terceiro,9). Seu A que nunca se casou e não teve filhos explicou que para se casar precisava de uma condição econômica melhor e que, agora com a terra, irá conseguir finalmente se casar. Com uma saúde bastante fragilizada, envelhecido, parece não se dar conta que talvez não seja possível realizar aquilo que durante tanto tempo protelou em fazer: Olha eu vou falar o que é verdade: o que vale a pessoa tirar a garota da casa de um pai, de uma mãe, casar e depois a pessoa não ter nada, né? Não adianta. Só vou casar agora quando eu tiver com minha terra na mão, com meu lote na mão. O significado de ter sua própria terra é sempre a de um sonho. Eles sempre viveram e plantaram a terra, têm experiência acumulada e familiaridade com o rural, mas sempre plantaram em terras alheias, sempre “mandados” ou “comandados” por alguém. Quando indagados sobre a possibilidade de ter terra enfatizaram isto como um sonho ou Por isso eu falo: a roça é a mãe da pessoa. É a mãe da pessoa que é a roça. E no horário bacana, quando a pessoa tiver plantando, alembrar o nome de Deus. Que nós sem Deus, não somo ninguém. Ah! Vai ser um sonho n/é? . se sair um pedacinho de terra pra gente, vixi!!!!! Vai ser um sonho! ( Senhor R). III-Conclusão

Ao analisar as trajetórias dos velhos trabalhadores foi possível perceber a centralidade do trabalho na estruturação de suas vidas e mostrar que, nesta sociedade, estas experiências vivenciadas por estes sujeitos se dão a partir das seguintes particularidades: expropriação da terra e intensa exploração nas relações de trabalho. Os sujeitos da pesquisa ora foram posseiros, parceiros, trabalhadores de fazendas ora trabalharam como assalariados desde muito cedo, como é o caso do Senhor A . A marca mais evidente destas trajetórias é familiaridade com o universo rural e o trabalho em terras alheias. Durante longos anos, aquilo que chamam de situações de injustiça, na realidade, eram os artifícios utilizados pelos diversos sujeitos no sentido de manter a terra em poucas mãos. A extrema exploração no trabalho vai se refletir nas condições de vida atuais: saúde precária, ausência de amparo previdenciário ( com exceção de um que aposentou-se em uma empresa), sem quase nenhum bem material; mas com um saber acumulado que inclui desde o ciclo de diversas culturas até a produção da farinha, da rapadura e até a produção do equipamento necessário para a confecção destes produtos. Estes sujeitos reiniciam uma nova jornada de luta, agora dentro do Movimento Sem Terra. O sonho da conquista da terra é a efetivação de um direito para sujeitos que em toda sua trajetória cultivaram e produziram para outros. Estes trabalhadores ao lutarem por terra buscam aquilo que o trabalho não conseguiu lhes garantir; daí o fato de assentá-los ser dever do Estado pois, assim, uma política pública poderá saldar a dívida histórica de dar terra para quem sempre nela trabalhou. Se estes trabalhadores já com idade avançada irão ou não ser assentados ainda depende de lutas jurídicas e políticas. Caso a terra seja de fato conquistada, ainda resta os desafios da comissão de seleção. Se esta etapa for vencida, restam os outros grandes desafios decorrentes da atual política agrícola brasileira que pouco tem favorecido a Enfim a efetivação dos direitos destes velhos trabalhadores é ainda meta e não
Referências Bibliográficas.
ANTUNIASSI, M. H. R., ALBRÉE, M. CHONCHOL, M. E. F. De Sitiante a Assentado:
trajetórias e estratégias de famílias rurais. São Paulo em Perspectiva. V. 7, n. 3, jul/set. FERNANDES, B. M. Questão Agrária, Pesquisa e MST. São Paulo. 2001. (Coleção HADDAD, E. Questões sobre a velhice. São Paulo.1999. THOMAZ Jr,, A. Os limites da teoria e a plasticidade do trabalho ( repensar auto-crítico sobre a classe trabalhadora no Brasil). Encontro da Rede de Estudos rurais. 2006. SANT’ANA, R. S. BRUGNHARA, A. C. OLIVEIRA. P.S. As representações sobre a vida no acampamento Mário Lago de Ribeirão Preto, SP.: um enfoque na perspectiva inter geracional.I Encontro da Rede de Estudos rurais. 2006. Niterói: Rj.

Source: http://www.redesrurais.org.br/sites/default/files/TERRA%20E%20TRABALHO%20A%20TRAJET%C3%93RIA%20DE%20TRABALHADORES%20IDOSOS%20DO%20ACAMPAMENTO%20M%C3%81RIO%20LAGO%20DE%20RIBEIR%C3%83O%20PRETO%20SP.pdf

Ovid: schmidt: int j dermat.

International Journal of Dermatology© 1999 Blackwell Science Ltd. Tretinoin-iontophoresis in atrophic acne scars[Pharmacology and Therapeutics]Schmidt, Jolanta B. MD; Donath, Peter MD; Hannes, Johanna MD; Perl, Sylvia MD; Neumayer, Renate MD;Reiner, Angelika MDFrom the Department of Dermatology, Division of Special and Environmental Dermatology and Institute ofClinical Pathology, University of

Tampering: a "foreseeable possibility"

RISKTOPICS Tampering: A "foreseeable possibility" Steps for preventing tampering in OTC drug and food products. INTRODUCTION Most people are quick to associate tampering with the food industry when, in fact, it is not the food industry that has suffered the first notorious case of tampering, but the pharmaceutical industry. Although food tampering is more frequent, its severit

Copyright © 2010-2014 Pharmacy Pills Pdf